19-01-2015

Os tratamentos farmacológicos

 

Pílula contraceptiva e anti-inflamatórios


Vários médicos recorrem á pílula contraceptiva á base de progesterona para combater as hemorragias menstruais excessivas causadas pelos fibromiomas. O médico  pode também prescrever anti-inflamatórios não esteróides para controlar as dores. A pílula é eficaz no sentido em que ilude o corpo, fazendo passar a mulher por grávida. Existem numerosos efeitos secundários mas que são normalmente benignos. Contudo, a utilização de progesterona não reduz o volume dos fibromiomas nem evita o seu crescimento.

Os antagonistas da GnRH (ou gonadoliberina)

Este tratamento é usualmente prescrito quando a pílula se revela ineficaz para combater os sintomas dos fibromiomas. Os antagonistas da GnRH têm por efeito a redução da produção de estrogénio pelos ovários. Permitem reduzir o tamanho dos fibromiomas e limitar os sintomas.
Em resposta á redução dos níveis de estrogénio, ocorrem efeitos secundários tais como calores súbitos e alterações de humor.
Além disto, os estudos tendem a comprovar que os fibromiomas tornam a aumentar após o fim do tratamento.

Os tratamentos farmacológicos : em que casos ?

O recurso aos medicamentos permitem limitar os sintomas de desconforto mas não eliminar os fibromiomas. Os tratamentos farmacológicos podem igualmente servir para preparar e facilitar uma operação cirúrgica.

Os outros tratamentos não-cirúrgicos :
A embolização

Técnica de Ultrassons

 

As informações fornecidas em www.fibromioma-uterino.pt destinam-se a melhorar, não a substituir, a relação directa entre o paciente (ou visitante do site) e os profissionais de saúde.